autoridades-mesa

Presidente da Câmara Wilson Ferreira presidiu a Audiência Pública

Aconteceu nesta quinta-feira dia 10,  no Clube de Mães Irmã Adelaide uma Audiência Pública a pedido da Câmara de Vereadores para tratar da segurança pública de Curionópolis. Tendo início as 16h a Audiência foi presidida pelo vereador e presidente da Câmara Wilson Ferreira – PV, ainda compuseram a mesa o vereador Arenes – PT, de Parauapebas, o Tenente Coronel Sandro Queiroz, comandante do 23º BPM de Parauapebas, o delegado Bruno Fernandes, o promotor Dr. Franklin Jones e o juiz da comarca Dr. Danilo Alves.

A sociedade civil organizada através de estudantes, associação comercial, sindicatos, e afins lotaram a plenária e puderam tirar suas duvidas, fazer seus questionamentos e ouvir as respostas das autoridades.

Manoel Naves, presidente da ACIC – Associação Comercial e Industrial de Curionópolis falou em nome da classe e pediu providencias para os recorrentes casos de assaltos nos comércio local, enfatizando também outros problemas: “Esses menores pilotando moto, que saem fazendo barulho na madrugada, os carros de som e essa frequência em casas noturnas devem ser resolvidos”, disse o representante.

Representando os comunicadores Wenderson Costa diretor de redação do Reporter30 também fez uso da palavra e comentou a falta de união da sociedade civil organizada: “É preciso mais interação das classes representativas a fim de consolidar as cobranças e poder colaborar com as soluções”, afirmou Wenderson que ainda indagou as autoridades quanto efetivo policial, conclusão de inquéritos e ações preventivas.

Após mais indagações foi a vez das autoridades falarem e tanto o Tenente Coronel quanto o delegado afirmaram: “O efetivo de nossas polícias é a quem do ideal”. A PM está realizando a formação de soldados e o efetivo de Curionópolis deve subir de 13 para 22 policias em breve, já na Delegacia o problema ainda não tem tempo previsto para ser sanado e por enquanto um escrivão concursado e um A-Doc e dois investigadores por plantão fazem o trabalho que necessitaria de pelo menos o dobro.

O ápice da reunião foi o discurso do magistrado, ele trouxe a tona uma reflexão: “O que nós enquanto cidadãos estamos fazendo para melhorar a segurança pública”, para o juiz a responsabilidade do Estado não pode ser repassada para sociedade, mas a sociedade tem o dever de agir de forma correta e assim educar seus filhos e assim evitar que a situação chegue ao ponto de ter que ser discutida em audiência como plano emergencial.

“Enquanto o cidadão levar no bolso o valor com intuito de subornar o guarda porque seu veículo está irregular, enquanto nossas praticas não forem condizentes com as Leis, certamente estaremos caminhando para uma sociedade insegura e pior, sem forças para cobrar. Portanto a solução do problema não é imediata, requer ações em longo prazo e sobre tudo uma mudança de comportamento coletiva, partido desde uma conversa olho no olho com seus filhos, procurando educação e sobre tudo agindo em conformidade com as Leis aí sim começaremos a caminhar para uma sociedade mais segura”, enfatizou o Juiz.

A priori ficou estabelecida algumas ações imediatas para minimizar os problemas do município, dentre elas a regulamentação das casas noturnas, controle dos som automotivos nas ruas da cidade, frequência de menores em locais inadequados além de ação direta no trânsito para reduzir o numero de menores pilotando motocicletas, bem como a circulação de veículos irregulares.

A ação de fiscalização desses veículos partirá de uma ação conjunta entre as polícias Civil e Militar e irá começar efetivamente em um prazo de 30 dias a contar da tarde desta quinta-feira dia 10. Vale ressalta que o presidente da Câmara Wilson Ferreira irá junto com os demais vereadores encabeçar uma campanha educativa para informar a sociedade dessas ações e assim a comunidade ter tempo para se regularizar e como disse o Juiz Dr. Danilo, “deixar esse hábito que já se tornou cultural de andar irregular e achar que é normal”.

Reportagem completa você lê na terça-feira (15) no caderno R30 que circula dentro do Jornal Correio do Pará.