abengoa

Escritório da Abengoa em Parauapebas fica atrás da Câmara Municipal

Especula-se que já foi alugada uma área que deverá ser utilizada pela Abengoa, empesa que irá executar as obras da Linha de Transmissão (LT) 500 kV da ATE XXI Transmissora de Energia. Outros imóveis também estão sendo sondados pela empresa em Curionópolis, ao que tudo indica a primeira licença, a LP – Licença Prévia já está nas mãos da empresa.

Segundo informado na Audiência Pública realizada em março, esse projeto prevê de 500 a 1000 vagas de emprego para Curionópolis, variando de acordo com as obras a serem executadas. A linha cortará 110 quilômetros de área do município de Curionópolis, e devido isso proprietários de áreas terão a chamada reposição patrimonial, diferente da indenização porque nesse caso a área usada pela empresa continua sendo do proprietário da terra e pode ser usada para atividades normais, salvo algumas restrições.

Apesar do otimismo, o fato do atual escritório da empresa ficar em Parauapebas, e, até o momento não haver nenhum posto direto da Abengoa em Curionópolis incomoda pretensos candidatos a vagas nos postos de trabalho do projeto. Atualmente a única forma de concorrer a essas vagas é enviando currículo para o e-mail rh.projetos@abengoa.com, mas nessa modalidade o candidato não pode acompanhar o processo, nem saber se há chance de seleção.

O escritório da empresa em Parauapebas fica atrás da Câmara Municipal, em um prédio totalmente isolado e com difícil acesso, mas há informações que nos próximos dias a empresa abra uma instalação em Curionópolis, o que é a esperança de muitos profissionais que aguardam uma oportunidade de emprego.

Imóveis – Donos de casas e condomínios também esperam que a chegada dessas empresa melhore o mercado imobiliário, que teve seu apogeu em 2011/2012 com o auge do projeto Serra Pelada tocado pela empresa Colossus, desde então o declínio só não foi maior, porque a Vale deu início ao projeto Serra Leste, que agora está parado esperando uma licença ambiental.

Comércio – O comércio local é outro que sofre com a estagnação da economia em virtude da amarração da licença do projeto Serra Leste que poderia estar ampliando a necessidade da mão de obra e gerando emprego e renda no comércio local. Agora, com a possibilidade das obras da Linha de Transmissão se iniciarem os comerciantes acreditam que poderão “tomar um folego”.