IMG032Vamos reclamar um pouco das escolas públicas? Aproveitar e reclama também de morar no interior de um estado distante dos grandes centros. Já que é para reclamar, vamos lembrar que não temos cursos pré-vestibulares, e que as escolas de ensino médio apesar de bons profissionais não tem as melhores estruturas. Gostou da ideia?

Se você gostou da ideia então não está inserido no grupo dos persistentes, estudiosos e determinados. Nessa classe estão pessoas que tiram máximo proveito, mesmo quando a situação não é tão favorável, já escrevi em outro momento sobre nomes com Glauberto Souza da Leolar, e Gildevan Feitosa, da Caixa Econômica, jovens que saíram de Curionópolis e conquistaram seu espaço mesmo enfrentando uma série de adversidades.

Hoje nosso personagem é outro. Estudante do 10º período de direito da Universidade Salgado de Oliveira, mas conhecida como UNIVERSO em Goiânia-GO, nasceu em Curionópolis e sempre estudou em colégio público. Na Escola Tancredo Neves cursou da 1ª a 4ª series, na Santos Dumont 5ª a 8ª, na Tancredo novamente estudou 1º e 2º ano do Ensino Médio e por fim concluiu o ginásio na Escola Almir Gabriel, cursando o  3º ano.

Fernando Patrocínio Silva, filho de casal João Patrocínio Filho e Maria Dorisete R. Silva deveria ter usufruído de alguns privilégios já que é de família nobre e seu pai ser um político, no entanto seguiu o mesmo caminho que faz centenas de estudantes de Curionópolis, tendo portanto um desfecho diferente de quem prefere reclamar ao invés de “correr atrás”.

Aos 23 anos Fernando, que é cristão protestante e congrega na Assembleia de Deus Missão confessou que direito não era sua primeira opção: “Aqui é uma parte interessante na minha historia como acadêmico. Não fiz o vestibular pra Direito, fiz pra Medicina e mas como segunda opção optei por Direito. Acabei não conseguindo a aprovação em Medicina mas sim para Direito. Mal sabia eu que seria uma das grandes paixões da minha vida”, contou o jovem.

Agora como acadêmico tinha um novo desafio, a vilã dos juristas, a prova da OAB, quando perguntado como foi a prova vejam a resposta: “No final do ano passado prestei o ExameIMG0301 da Ordem pela primeira vez, foi considerada por especialistas a prova mais difícil de todas desde que a FGV assumiu a responsabilidade em aplicar as provas, tanto é verdade que foi um recorde de reprovação, cerca de 90% foram reprovados, e pela graça de Deus estávamos entre os 10% aprovados”.
Com certeza essa seria a grande vitória, já que muitos estudantes de direito concluem o curso mas não podem exercer profissão por não conseguirem ser aprovados no Exame da Ordem. Grande vitória não foi? Mas calma essa história ainda tem reviravolta.

Depois do exame não veio a tranquilidade, mas sim um princípio de preocupação já que Fernando estava cursando o 8º período da faculdade, e para que valesse a aprovação deveria estar no 9º período. “Não deu outra, tive que fazer outra vez o exame”, lembrou o nobre acadêmico que fez questão de concluir dizendo: “Mas pela gloria de Deus e muito esforço consegui a aprovação novamente neste ultimo exame e desta vez valeu”. Fernando ainda deixou um recado para quem pretende ou deve encarar algum teste: “A prova não é impossível, se estudar e levar o curso a serio, você consegue passar sem precisar de cursinho preparatório. Basta ter Foco, Força e Fé”.

E quando indagado sobre o que espera do futuro, Fernando respondeu: “Espero poder ao final desse semestre (que é o ultimo) voltar a Curionópolis e montar meu escritório, pois vejo um futuro promissor pra essa cidade e quero poder crescer juntamente com ela” e completou: “Claro que, assim como 99% dos alunos que fazem o curso de Direito também estou de olho nos concursos públicos, mas ate essa aprovação no concurso não acontecer estarei trabalhando nessa região que tanto amo”.