Entidades estão se organizando para formular o documento

Entidades estão se organizando para formular o documento

Entidades de classe, religiosas e pessoas da comunidade da antiga vila garimpeira estão se unindo com objetivo de elaborar um documento que possa cobrar das autoridades competentes melhorias para o distrito e vilas adjacentes. Pelo menos duas reuniões já foram realizadas na sede da Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada – COOMIGASP com esse fim.

Vamos elaborar esse documento com objetivo de mostrar para as autoridades nossas necessidades, dizer o que queremos e cobrar respostas”, disse Edinaldo Aguiar, presidente da COOMIGASP e um dos membros do grupo.

A ideia inicial partiu de dona Nadir e seu Marcial, ela moradora e presidente de uma entidade as margens da estrada que liga a Serra Pelada, ele morador do Curral Preto, vila que recentemente recebeu melhorias em algumas estradas de acesso.

Não podemos ficar parados vendo as coisas acontecerem sem cobrar nossos direitos, mas tudo dentro da lei, da ordem e pelos caminhos corretos”, disse Nadir. Seu Marcial também defende o diálogo, mas aposta na ação: “Precisamos fazer algo que traga resultados, mas como disse Nadir, pelos caminhos certos”. Já Etevaldo Arantes presidente da COOMPRO se uniu ao grupo por acreditar no efeito da união: “Dessa forma temos mais força para cobrar nossos direitos, mas é preciso manter essa união e todos com o pé no chão sabendo que os interesses são coletivos”.

Durante a reunião ficou muito clara a necessidade de chamar atenção do Governo do Estado e da União para a questão de Serra Pelada, tanto que o documento a ser elaborado será chamado de ‘Manifesto a Nação’: “Precisamos fazer esse documento ser lido no Congresso e chamar atenção dos poderes”, reforçou Edinaldo Aguiar.

Edinaldo da COOMIGASP conduziu as reuniões

Edinaldo da COOMIGASP conduziu as reuniões

A primeira reunião aconteceu na manhã de domingo, na segunda-feira também pela manhã aconteceu à segunda reunião. A primeira limitou-se as entidades de classe, na segunda, líderes religiosos, e mais pessoas da comunidade participaram e puderam levar suas pautas de reinvindicação que foram diversas, infraestrutura; educação; saúde; segurança; esporte e lazer; geração de emprego e formação profissional; telefonia; iluminação pública.

Uma comissão vai ser formada para representar o grupo nas viagens necessárias. Apesar de toda luta pela vila, em um momento da reunião surgiram dúvidas sobre o futuro: “Estamos em uma situação difícil, porque o projeto está funcionando e vai aumentar e as autoridades têm que decidir ou o projeto ou nós moradores”, comentou um dos presentes à reunião.

Sobre infraestrutura, a estrada de acesso a Serra Pelada foi a principal necessidade e Etevaldo comentou: “Em todos os projetos as pessoas são mais importantes que o material produzido, aqui é o contrário, enquanto nosso minério sai em um asfalto de qualidade, o povo an

da por estrada cheia de poeira ou lama, depende do período”, disse Arantes referindo-se a estrada que a Vale construiu para conduzir o minério do Serra Leste até à pera ferroviária em Parauapebas.

idh-30IDH – Até 2013 o Índice geral de Desenvolvimento Humano de Curionópolis era de: 0,682, sendo que Longevidade 0,809, Renda 0,592 e Educação 0,536, considerados números medianos deixando Curionópolis como número 3378 no ranking nacional. Os dados são gerais refletidos também pela situação da vila garimpeira.