Até quando o Governo Federal vai olhar com desprezo para Serra Pelada? Enquanto brigas internas, disputas por poder e “investidores” roubam a cena, o Brasil sofre com as contas no vermelho, às previsões são tão desfavoráveis, que 2016 nem chegou e já está com orçamento comprometido. A estimativa para 2016 é de déficit de R$ 30,5 bilhões, o que representa 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com o ministro Nelson Barbosa, do Planejamento.

Porque ninguém olha para a maior jazida de ouro do país com atenção devida? Creio que é possível perceber que ali está pelo menos parte da solução? Vamos aos números, ouro hoje 135 reais o grama, pesquisa realizada e divulgada 51 toneladas de ouro na jazida, multiplique-se: 135 reais vezes 51.000, que é igual: Seis bilhões e oitocentos e oitenta e cinco milhões de reais. Cálculo técnico: R$ 135,00 x 1.000 = R$ 135.000,00 o quilo do ouro.  R$ 135.000,00 x 1.000 = R$ 135.000.000,00 a tonelada, R$ 135.000.000,00 x 51 = 6.885.000.000,00 (Seis bilhões e oitocentos e oitenta e cinco milhões de reais).

Os valores acima representam o que Serra Pelada poderia contribuir para amenizar o déficit previsto para o ano que vem. Só nas 51 toneladas de ouro da única pesquisa divulgada a jazida ajudaria em mais de 20% na previsão orçamentária de 2016. Vale ressaltar que a Colossus investiu aproximadamente em 600 milhões de reais para deixar o projeto quase em faze de operação, ou seja, quase chegar ao ouro e deixar a planta de beneficiamento pronto. O investimento não definharia os valores arrecadados, isso, sem se falar no ouro contido na montoeira, nas áreas das outras sete cooperativas enfim, os números são muito favoráveis, mas tratados com desprezo pelo Governo Federal.

Enquanto nosso país trata com descaso, o mundo vê em Serra Pelada como a “galinha dos ovos de ouro”, Canadá, Japão, Austrália, México, Chile e outros países sempre demostraram interesse em explorar aquelas riquezas, não foi atoa que a Colossus Minerals Inc,. tentou se instalar por lá, e teve suas atividades inicias com investimentos captados na bolsa de Toronto. Agora é a vez do Japão tentar implantar um projeto através de um grupo de investidores da Myrabras. Só o Governo Federal não percebe o valor da mina?

Cooperativa aprova contrato, quebra contrato, entra diretoria, sai diretoria nem os garimpeiros que a mais de 30 anos esperam, nem o “governo” veem um resultado do que acontece em Serra Pelada.

O cenário é desolador, os olhares tristes e a disparidade gritante. É imaginar estar sobre um grande cofre, precisando de comida, água, remédio, mas não ter a chave, não poder se beneficiar do que é seu por direito. Não adianta culpar prefeitos, governadores o problema é da União, afinal de contas o subsolo é dela e é lá que estão as riquezas, em outras palavras a “chave do cofre” está com a Dilma, cabe a excelentíssima presidenta decidir se abre alivia a dor do Brasil e salva os garimpeiros ou se deixa que os “velhinhos continuem sentado sobre o cofre com prato vazio nas mãos”.

A SABER – Dia 27 desse mês a COOMIGASP pretende fechar outra parceria. É parceria que começa, pareceria que se finda, e agora parceria que começa sem o fim de outra pelo menos não foi oficializado que a Brasil Século III (BS3) tenha rompido contrato com a cooperativa. Enquanto isso o que resta é esperar.

Auxilio com Calcúlos: Flavio Costa e Joscyel Carvalho

Texto e Foto: Wenderson Costa