Está à disposição da justiça o comerciante Raimundo dos Santos Oliveira de 48 anos, que foi preso na madrugada de segunda-feira, 01, acusado de ter matado com um disparo de revólver calibre 38 o técnico em refrigeração Darley Feitosa da Silva, de 19 anos. O assassinato aconteceu por volta das 20h20 de domingo, 31, na rua Ângelo Diniz com Manoel Garrincha, bairro Guanabara em Parauapebas.

Nos primeiros levantamentos realizados pelos policiais, investigador Diogo Pedrosa e escrivão Paulo Lima, com apoio do Sargento PM Severo foi possível identificar o autor do crime que foi preso em casa no final da rua Daniela Peres também no Bairro Guanabara.

Acusado negou ter atirado na vítima

Acusado negou ter atirado na vítima

As informações repassadas para os policiais dão conta que vitima e acusado estariam juntos e antes de ir para um bar perto do local do crime, ambos teriam passado na casa de um primo de Darley Feitosa e após conversar com seu primo deixou o local na companhia do comerciante e fora beber num bar perto de sua casa.

Quando em certo momento, após tomarem alguns goles de cerveja a vítima sentiu falta de seu celular e ao retorna em casa para ver se havia deixado lá, comentou com seu primo que o celular havia sumido, instante em que o primo da vítima teria ido até ao bar onde teria perguntado aos companheiros de bebedeira da vítima se eles não haviam visto o celular.

Ao responderem que não, Darley Feitosa teria dito “E esse celular ai em teu bolso?” Não gostando, Raimundo Santos teria sacado do revólver e apontado para Darley e seu primo que correu, enquanto que o técnico em refrigeração ficou no local do outro lado da rua, quando de repente o acusado e outro que ainda não foi identificado pela polícia, teria ido ao encontro da vítima e após uma ligeira discussão o desconhecido dado um tapa no rosto de Darley Feitosa, enquanto que o acusado sacou mais uma vez do revólver e disparou contra o rapaz. O Crime foi registrado por câmeras de segurança de uma loja próxima ao local.

Baleado pelas costa, a vítima ainda correu alguns metros, vindo a cair sem vida na área de um lava jato do outro lado do bar onde teria começado a confusão. Com Raimundo dos Santos, a polícia apreendeu um revólver calibre 38, marca Taurus, com três munições intactas.

Ainda na madrugada o acusado foi reconhecido na delegacia por um parente da vítima que se encontrava no local na hora do crime. Ouvido pela reportagem Raimundo dos Santos, negou a acusação. De acordo com o delegado André Amorim, as imagens registradas pelas câmeras na hora do homicídio serão averiguadas detalhadamente para que seja identificado a segunda pessoa envolvida no crime, como também outras pessoas que estavam no local serão ouvidas e arroladas no inquérito já aberto para apurar o assassinato.

Ouvido pela reportagem Raimundo dos Santos, negou a acusação. De acordo com o delegado André Amorim, as imagens registradas pelas câmeras na hora do homicídio serão averiguadas detalhadamente para que seja identificada a segunda pessoa envolvida no crime, como também outras pessoas que estavam no local serão ouvidas e arroladas no inquérito já aberto para apurar o assassinato. 

(Texto e fotos: Caetano Silva)