Em Colação de Grau, oradora emociona com texto cômico, sentimental e motivacional

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

O discurso da nova engenheira agrônoma emocionou as centenas de pessoas presentes a Colação de Grau que aconteceu na última sexta-feira, dia 31 de janeiro, no Auditório da Câmara Municipal de Parauapebas. De um enredo cômico e cheio de personagens hilários há uma história de dificuldades e lutas a serem vencidas. A oradora encerra com um texto motivacional que contagiou e tirou suspiros da plateia.

Joysse Lima Cordeiro, de 24 anos natural de Tailândia no Pará, assim como os colegas de curso e de outras das agrárias enfrentou os perrengues para colher os louros dessa grande conquista. Veja a baixo o discurso, recomendo ler até o final, e não se ater a possíveis termos técnicos.

ORAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU JOYSSE LIMA CORDEIRO
Olá? Boa noite a todos!

Em Romanos 11:36 diz: “ Porque dEle, por Ele e para Ele são todas as coisas” e é por isso que hoje eu gostaria de agradecer primeiramente a DEUS, pelo seu amor incondicional a cada uma das pessoas que estão aqui presentes nesta noite memorável. ABBA, Obrigada por tornar este sonho realidade em nossas vidas.

Gostaria de agradecer também aos nossos amigos e familiares que tiraram um pouco do seu precioso tempo para celebrar conosco esse dia. Agradeço também a Profa. Aurea por ter aceitado o convite de ser Paraninfa da nossa turma, o Prof. Bruno Zaché e também a Profa. Priscilla Andrade por nos darem a honra de serem nossos professores homenageados. Agradeço na pessoa do Diretor Professor e Doutor LUIS RENNAN SAMPAIO OLIVEIRA a essa tão renomada Universidade que tanto nos ensinou.

E por fim, gostaria de agradecer de forma especial , a minha turma de agronomozinhos Honeydew (AGRONOMIA 2015) que me elegeram por livre e espontânea pressão para estar aqui na frente representando-os com as minhas singelas palavras. Muito obrigada meus amigos, pela honra desse momento. Vocês são incríveis e é para vocês que eu dedico toda a magia dessa noite. Respirem fundo, e curtam o momento porque nós conseguimos. Vencemos mais essa etapa da vida.

E quem diria não é mesmo? Éramos 50, hoje somos menos que a metade disso e o sentimento que eu carrego aqui dentro é inteiramente GRATIDÃO. Não dá pra explicar o turbilhão de emoções que estou sentindo.

Cinco anos se passaram desde o dia em que deslumbramos nosso nome na lista de aprovados e parece que foi ontem que estávamos todos ali, reunidos naquela sala, prestes a começar a dar os primeiros passos que nos fariam chegar até aqui, até essa noite de glória. Recordo-me claramente da euforia dos meus amigos Bary e Roh ao descobrirem que teriam na sua grade curricular uma disciplina chamada “Botânica” (expressar a reação deles kkkk), pobres almas, pensei comigo. Mas na primeira aula, eu confesso que me rendi quando vi o quão lindaaaaa era a botânica “se é que me entendem” rsrs.

No começo éramos um grupo de pessoas estranhas, depois formamos os primeiros grupinhos, em seguida nos dividimos em #Team80% e #Team20% e por mim ficamos tão unidos que o nome da turma Honeydew se deu por causa de uma questão na prova de entomologia 2 que dizia pra gente descrever o que era o tal Honeydew. O resto vocês imaginam não é? Estava todo mundo no bico do urubu e como costuma dizer a professora Claudete, foi zero sem dó. Desculpa professor Bruno, desculpa GALLO.

Também fomos à primeira turma a levar o truco para a UFRA, que Deus nos perdoe, mas a regra era clara, amigos, amigos, partidas de truco a parte. E se me permitem, levem esse conselho para a vida, jamais joguem com o Daniel Bessa e o Patrick Yuri na mesma partida (eles são ladrõezinhos).

Bem, algumas viagens também fizeram histórias. Saudades Fazenda Escola de Castanhal, saudades. Deixo aqui um Salve para os Mandis e também para o Ressuscita. Já em viagens como a do CBA em Fortaleza, nos fomos a própria história. Viramos até empreendedores e ninguém podia vacilar que tinha gente gritando: Olha a coxinhaaaaaaaaa, só dois “real”. E foi assim que conseguimos chegar até um dos congressos mais importantes da nossa área, O Congresso Brasileiro de Agronomia.

Claro que nem tudo foi só diversão, nós também erámos elogiados (exceto quando a professora Gladis deixou um bilhetinho dizendo “elogiei cedo demais”) por ser uma das turmas mais dedicadas e com as maiores notas em Fitopatologia e também em Entomologia. Talles que o diga não é? Ele virou lenda após ser o primeiro discente ao passar em um NAF de entomologia. #ORGULHO GAROTO.

Brincadeiras a parte, quantas histórias temos para contar, quantos sorrisos colecionamos ao longo da nossa viagem, até me arrisco a dizer que também temos um Deus que colecionou todas as nossas lágrimas. Lágrima de alegria, às vezes de angustia, de medo de reprovar naquela disciplina difícil, lagrima de quem muitas vezes procurava no próximo um amigo que pudesse ouvir as suas tristezas. E quer saber? Foram momentos maravilhosos que passamos juntos e que hoje parece mais um filme em nossa mente.

Compartilharmos juntos todos esses momentos me fez crescer significativamente e hoje eu sou imensamente feliz por cada sorriso, cada lágrima, cada marmita compartilhada e principalmente pela maravilhosa experiência de dividir a minha vida com vocês.

Sem dúvidas para a maioria de nós, essa foi à experiência mais intensa das nossas vidas. Porque nem tudo foram flores e mesmo quando floresceu tivemos que aprender a lidar com alguns espinhos. Por isso, hoje, eu gostaria de definir a minha querida turma em três palavras: ADVERSIDADE, MATURIDADE e SUPERAÇÃO. Sim, somos exatamente isso!

Quantos desafios enfrentamos nesses anos? Quantas vezes tivemos que engolir o choro porque explicar o motivo era doloroso demais? Quantas vezes a vontade de abrir mão de tudo passou pela nossa cabeça ao menos uma vez durante a graduação? Eu mesma sou prova disso. Foram inúmeras as vezes que eu pensei em desistir porque queria ajudar os meus pais de alguma forma, sem me sentir culpada por somente usufruir o que poderiam me dar. E tudo bem, tudo bem a gente ter pensado dessa forma algum dia. Porque não somos de ferro, mas eu aprendi que somos feitos de força e fé. Desistir deixava de ser uma opção quando olhávamos para o lado e tinha um anjo de Deus nos dizendo, tudo bem, é só mais um dia difícil.

A Universidade meus amigos, é muito mais que um ambiente de disseminação de conteúdos técnicos e científicos. É uma escola para a vida e ouso dizer que ninguém sai ileso. A Luana Pinheiro que o diga, para mim ela foi um dos maiores exemplos de maturidade e superação que eu encontrei por lá. Vocês não fazem ideia do que essa pessoa linda passou. Quando a sua querida mãe Ana Luisa descobriu um tumor cerebral e todos nós ficamos desesperados, desolados e sem entender muita coisa, eu olhava para a Luh e ela estava estável em meio ao caos e a única coisa que me recordo dela falando era: Está tudo bem gente, eu sinto o cuidado de Deus em tudo o que está acontecendo e eu sei que Deus vai providenciar o milagre que a minha Mãe precisa. Luana, isso é Maturidade e o que veio depois disso (o milagre da tia Ana) eu chamo de Superação.

Todos nós aprendemos as lições da vida de alguma forma e eu acredito que Deus não nos dá nada além do que possamos suportar. Por isso Naiane, você está aqui comemorando essa noite, por isso Layla você pode abraçar forte a sua mãe e dizer que apesar das adversidades você venceu. Por isso Cassi, Cris, Diogo, Romildo, Ruanis, Talles, Tata, Tirza nós chegamos ao fim. E é por isso Bary que a partida da vovó neném não veio para te ferir e muito menos para que a gente viesse a questionar os motivos de Deus, mas sim porque ela era incrível demais pra ficar presa aqui. Papai do céu precisava de mais um anjo da guarda porque os seus estão sobrecarregados demais. Você minha amiga é incrível e a vovó neste momento está explodindo de orgulho de você.

Bom, eu creio que todos aqui já conseguiram perceber que além de profissionais qualificados e competentes, a UFRA hoje está oferecendo ao mercado seres humanos com super poderes para superar qualquer dificuldade, por isso não será difícil realizar a arte de alimentar o mundo. Porque não é sobre se formar em Agronomia é sobre se tornar Agrônomo.

E por fim, eu gostaria de deixar um conselho de Shekespeare para todos vocês: “Aprenda que realmente você pode suportar e que realmente você é forte e que pode ir muito mais longe depois de achar que não se pode ir mais”.
Então viva os mais novos Engenheiros Agrônomos de Parauapebas!!!
Muito obrigada pela atenção de todos vocês, é isso pessoal, acabou a celulose! rs

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de