Mais de mil pacientes recuperados de Covid-19 no Pará

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Pessoas já tiveram alta hospitalar e seguem em isolamento domiciliar, fazendo tratamento em casa

O Pará tem, até esta terça-feira (28), tem 1.118 casos de pacientes considerados recuperados de covid-19. Entre eles está o professor de música da Fundação Carlos Gomes, Harley Bichara, 40. “Eu só tenho a agradecer a Deus e ao sistema de saúde pública estadual pela minha recuperação. Precisamos valorizar os profissionais de saúde e de apoio do Hospital de Campanha de Belém, todos foram excelentes, atenciosos e dedicados comigo”, agradece.

O professor começou a apresentar sintomas como moleza e perda do olfato e paladar, no dia 9 de abril e, desde então, ficou isolado em casa. No decorrer dos dias, a dor na garanta e a febre alta surgiram. “Tive febre de 39.6 graus, me sentia fraco, com dor no peito e dificuldade de respirar, por isso procurei a UPA da Sacramenta, que me encaminhou para o Hospital de Campanha de Belém. Foi Deus que me mandou para lá. Fiquei uns dias na UTI e recebi um atendimento de excelência”, afirma.

“No Hospital de Campanha é tudo bem limpo o tempo todo, tudo novo, tudo de qualidade para o nosso conforto. O serviço não para, pacientes chegam a toda a hora. Inclusive eu dei entrada meia noite do dia 13 de abril” – Harley Bichara, músico. Ele teve alta no dia 18 de abril e segue em isolamento, mesmo sem apresentar mais sintomas.

Segundo dados fornecidos pelo Hospital de Campanha de Belém, até às 17h de segunda-feira (27), 193 pacientes estão sendo atendidos, sendo 22 em leitos de Unidade de Tratamento Intensiva (UTI). Ao todo, já foram atendidos 336 pacientes, dos quais 27 foram transferidos e 95 receberam alta.

O técnico em rastreamento veicular, Michel Silva, de 40 anos, hipertenso e ex-fumante, também é um dos pacientes recuperados do novo coronavírus. Michel contou que os primeiros sintomas, como febre e irritação na garganta, começaram no início do mês e persistiram, mesmo após fazer uso de medicação.

“Apresentei falta de ar e passei dois dias internado na UPA da Sacramenta, mas continuava com a respiração muito ruim e fui transferido para o Hospital Abelardo Santos. Fiquei internado em UTI, mas não precisei ser intubado”, conta.

Michel teve alta no último sábado (25) e está com um sentimento de gratidão a Deus e à equipe que cuidou dele para o restabelecimento da sua saúde.

“Só posso agradecer a Deus por ter me dado mais uma oportunidade de vida ao me encaminhar para o Abelardo. As pessoas que trabalham lá salvaram a minha vida. Todos os profissionais eram atenciosos e faziam de tudo por mim, desde os cuidados com a alimentação, os exercícios pulmonares, até tentar me animar e me dar força para lutar pela minha vida” – Michel Silva, técnico de sistema de resfriamento.

O técnico alugou um quarto, após ter alta do hospital, para permanecer em isolamento e proteger a sua família. “Nesse momento, não encontrar as minhas filhas é protegê-las. Fazemos videochamada para matar a saudade. As pessoas precisam entender que o isolamento é muito importante. O trabalho conseguimos recuperar depois, mas a nossa vida é única. Então, peço que quem puder, fique em casa”, alerta.

Santarém e Marabá

Neste último final de semana, os primeiros internados nos Hospitais de Campanha de Santarém e Marabá já deixaram as unidades recuperados. Os pacientes seguem com o tratamento em casa e em isolamento domiciliar.

No Hospital de Campanha de Santarém, o primeiro paciente de covid-19 a ter alta foi Joe Luiz, de 73 anos, que recebeu tratamento e foi liberado no sábado (25). Em Marabá, após seis dias de internação, José Farias foi o primeiro paciente de covid-19 a ter alta no Hospital de Campanha de Marabá. Depois de ser transferido para o HC, ele recebeu tratamento, teve melhora do seu quadro clínico e foi liberado.

Abelardo Santos, em Icoaraci

A médica da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional Abelardo Santos, Luane Beltrão afirma que, apesar da agressividade da covid-19, a taxa de sucesso no tratamento dos pacientes é significativa.

“Na UTI eles são acompanhados por médicos, fisioterapeutas, equipe de enfermagem 24 horas. Exames são realizados diariamente para correção de eventuais distúrbios metabólicos, bem como para a verificação da própria evolução da doença. Os equipamentos modernos de hospitais como o Abelardo Santos permitem esse diagnóstico precoce de possíveis complicações”, explica a médica.

De um modo geral, o novo coronavírus causa, na maioria das vezes, sintomatologia leve, sem necessidade de internação. Porém, em pessoas pertencentes a grupos de riscos, com comorbidades ou imunodeprimidos, ou mesmo pessoas que simplesmente apresentam evolução mais grave do quadro, é preciso internar para monitorar.

“A terapia intensiva é um setor crítico e recebe pacientes mais graves, sendo uma doença bastante agressiva em certas pessoas, então é difícil prever os desfechos. Mas temos tido sucesso no tratamento com bom número de altas hospitalares”, atesta Luane Beltrão.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de