Operação Clean Crib prende envolvidos em fraudes bancárias no município de Paraupebas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Foram cumpridos mandados de prisão temporária, de busca e apreensão. As investigações seguem para identificar outros membros do grupo criminoso.

A primeira fase da operação “Clean Crib” cumpriu quatro mandados de prisão temporária e cinco de busca e apreensão, por delitos relacionados a lavagem de dinheiro, associação criminosa e furto qualificado de valores subtraídos de contas bancárias de correntistas do banco Banpará. A ação foi realizada nesta manhã de quarta-feira (04), no município de Parauapebas, sudeste estadual.

De acordo com as investigação, que já duram cinco meses, os criminosos subtraíram mais de 300 mil da conta de 10 correntistas. A movimentação do dinheiro ilícito, conhecida como lavagem de dinheiro, acontecia em Parauapebas.

“Detectamos durante a operação que no município de Parauapebas havia diversas contas suspeitas e então representamos ao poder judiciário local os mandados de prisão temporária assim como de busca e apreensão e deflagramos operação com sucesso”, afirmou o delegado Breno Ruffeil, titular da Divisão de Combate a Crimes Econômicos e Patrimoniais praticados por Meios Cibernéticos.

Um empresário que recebia os valores e realizava a lavagem do capital foi preso juntamente com três pessoas que auxiliavam na movimentação financeira ilegal. Documentos, notas fiscais, 12 aparelhos celulares e máquinas de cartões de crédito, também, foram apreendidos.

“Os criminosos criavam sites falsos para capturar dados de correntistas. A partir desses dados eles acessavam a conta e realizavam transferências de valores para outras contas e este dinheiro era sacado ou era utilizado para fazer compras no intuito de mascarar a origem ilícita desse capital”, pontuou o delegado. As investigações continuam para identificar demais membros do grupo criminoso.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de