Sessão debate demora na liberação do licenciamento da segunda fase do Projeto Serra Leste

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Uma Sessão Especial realizada nesta segunda-feira (25), no plenário principal da Assembleia Legislativa do Estado do Pará, discutiu sobre a demora para a liberação do licenciamento ambiental de aumento de produção do Projeto Serra Leste, operado pela Companhia Vale, de 6 para 10 milhões de toneladas. O projeto é desenvolvido no município de Curionópolis, localizado no sudeste do Pará, e está paralisado desde julho deste ano, aguardando a licença da Secretaria de Meio Ambiente do Estado, o que vem afetando a economia da cidade e da região.

A solicitação da Sessão foi de autoria do deputado Eliel Faustino (DEM), líder da oposição. Ele informou que o objetivo da reunião era para que ocorra o mais rápido possível o processo de implantação da segunda fase do Projeto Serra Leste, que só pode acontecer se a liberação ambiental ocorrer.

“O nosso objetivo aqui não é a paternidade do projeto, queremos que o projeto Serra Leste continue em Serra Pelada para que a população e a prefeitura de Curionópolis não sejam prejudicados na medida em que a falta de operação da Vale no município retire de lá os trabalhadores”, discorreu. Para o deputado Faustino, os trabalhadores locais estão tendo que se deslocar para Parauapebas e Canaã e a paralisação está ainda impedindo a criação de novas vagas de emprego na cidade.

O prefeito de Curionópolis, Adoney Aguiar (DEM), informou que o projeto Serra Leste emprega mais de 700 funcionários diretos e mais de 300 indiretos, e que a economia do município gira em torno da mineração, mas a continuidade do projeto depende do licenciamento ambiental. “Hoje, as operações estão paralisadas, os funcionários estão deslocados para Parauapebas e para Canaã dos Carajás, ficando a semana toda fora”, acentuou Aguiar. Para o prefeito a situação é preocupante. “Com a licença ambiental, será possível retomar e aumentar a produção, além de gerar mais de 1200 empregos. Isso vai movimentar economicamente a cidade”, disse.
Para o prefeito a suspensão da produção da Vale já está afetando de modo significativo o município de Curionópolis. “A partir de janeiro vamos ter que diminuir nossa folha de pagamento, ficar com menos funcionários”, anunciou.

Participaram ainda da Sessão os deputados estaduais Delegado Caveira (PP) e Thiago Araújo (PPS); o presidente da Câmara Municipal de Curionópolis, Nonato Maranhense, os vereadores Nildes Oliveira (PSDB), Paulo Higino (PSDB), Aderbal (DEM), e Roldão (DEM); Williame Santos, presidente da Associação Comunitária de Curionópolis, e Nélson Silva, representante federal da Associação Nacional da Mineração.

Por Carlos Boução – AID – Comunicação Social
Fotos: Baltazar Costa

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de