Valor pago por respiradores à empresa chinesa será devolvido integralmente ao Estado

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Montante será usado na aquisição de novos respiradores para atendimento nas unidades de saúde e hospitais estaduais

A Justiça do Estado homologou, na noite desta terça-feira (12), o acordo firmado entre o Governo do Pará e a empresa responsável pelo fornecimento de 400 respiradores, destinados ao tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus. A sentença foi emitida pelo juiz da 5ª Vara da Fazenda Pública e Tutelas Coletivas, Raimundo Santana.

“Em face à impossibilidade de recebermos equipamentos plenamente funcionando, conforme compramos da China, queria informar que acabamos de firmar um acordo em que a empresa que comercializou os respiradores se compromete a ressarcir integralmente os recursos que foram pagos pelo governo. Desta forma, protegemos os recursos públicos. E vamos lutar para rapidamente garantir que novos respiradores possam chegar e para que novos leitos de UTI sejam abertos”, ressaltou o governador do Pará, Helder Barbalho, por meio de vídeo divulgado nas redes sociais.

Segundo o acordo, estabelecido de forma amigável, a empresa ‘SKN do Brasil Importação e Exportação de Eletroeletrônicos Ltda’ se compromete a devolver ao Estado o valor de R$ 25,2 milhões, por meio de depósito em conta judicial vinculada ao processo, referente a parcela integral paga pela aquisição dos equipamentos, no prazo improrrogável de sete dias. O acordo também estipula a devolução para a empresa dos 152 aparelhos entregues ao Estado.

“Quando os respiradores chegaram, constatamos após análises técnicas da Secretaria de Saúde (Sespa) que o modelo entregue era diverso e inferior àquele que havíamos contratado e, portanto, não atenderia às nossas necessidades no combate à Covid-19. Imediatamente, nós decidimos ajuizar ação contra a empresa para ressarcir o Estado desse prejuízo. Após isso, a empresa nos procurou para fazer um acordo e devolver o valor”, explicou o procurador-geral do Pará, Ricardo Sefer.

No último domingo (10), a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) garantiu na justiça o bloqueio de bens e a suspensão de passaportes dos sócios da empresa contratada. A ação correu em segredo de justiça para evitar que os empresários pudessem sair do Estado ou utilizar o valor depositado, causando prejuízo maior ainda aos cofres públicos estaduais.

“Agora o objetivo é garantir o ressarcimento rápido do Estado para utilizar de imediato este valor no combate à pandemia, inclusive já estamos negociando a aquisição de novos respiradores para atender a demanda de atendimento nas unidades de saúde e hospitais estaduais”, finalizou o procurador-geral.

Fonte: Agência Pará
Foto: Marco Santos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de