Delegada do Pará lança livro sobre compartilhamento não autorizado de conteúdo íntimo na internet

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

A delegada da Polícia Civil do Pará, Vanessa Lee Araújo, lançou, neste sábado, 16, em Belém, o livro “Vingança Digital: Compartilhamento Não Autorizado de Conteúdo Íntimo na Internet, Procedimentos de Exclusão e Investigação Policial”. A obra escrita pela policial civil paraense em parceria com o delegado da Polícia Civil do Piauí, Alessandro Barreto, aborda as investigações de crimes cometidos na Internet.

A obra escrita pela policial civil paraense em parceria com o delegado da Polícia Civil do Piauí, Alessandro Barreto

O lançamento foi realizado na loja Sol Informática, na Avenida Visconde de Souza Franco, no Reduto, e contou com grande presença de policiais civis, profissionais do Direito e outros interessados no tema. A obra literária faz parte da coletânea “Série Pensamentos Acadêmicos”, da Editora Mallet, e aborda a temática e aspectos referentes à violência de gênero, conceitos e tipificação para explicar e orientar, de forma clara e objetiva, ao público em geral interessado no tema dos crimes virtuais.

Diretora da Divisão de Prevenção e Repressão a Crimes Tecnológicos (DPRCT) da Policia Civil, a delegada conta que usou um pouco de sua experiência como policial para desenvolver a temática do livro.

“Com essa revolução tecnológica na atual sociedade da informação, as Delegacias de Polícia como um todo passaram a receber muitos casos, em especial, de violência contra as mulheres na Internet.

No início, acreditava-se de que se tratavam de crimes previstos na Lei Maria da Penha, que abrange a violência doméstica e familiar contra a mulher, mas, com o tempo, constatamos que era uma violência de gênero pela condição de ser mulher”, explica. A obra, explica a policial civil, aborda sobre as novas formas de violência que se adaptaram às novas tecnologias da informação e da comunicação.

“Verificamos que era importante escrever sobre isso para mostrar para as pessoas o que estava ocorrendo e de outro modo também colocar modelos para que as vítimas pudessem solicitar a retirada dessa violação de Direitos Humanos da Internet”, salienta. No livro, há o projeto de lei que trata dos crimes virtuais e também modelos de documentos (petições) que podem ser adaptados tanto por advogados quanto por delegados e promotores de Justiça para serem utilizados como referência por magistrados,para buscar a retirada de conteúdo íntimo da Internet. O livro conta ainda com informações sobre procedimentos que permitem, tanto aos órgãos de Polícia Judiciária quanto às vítimas ou seus representantes legais, atuar de forma a assegurar a preservação das pessoas vitimadas e, principalmente, como proceder para retirada de conteúdos lesivos às pessoas da rede mundial de computadores.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de