DENÚNCIA CONTRA ADMINISTRAÇÃO DE FRANCIS LOPES É PROTOCOLADA NO MP

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Uma denúncia foi protocolada hoje no Ministério Público de Curionópolis em desfavor do prefeito em exercício de Eldorado do Carajás Francis Lopes de Souza (PSD). O denunciante Adilson Alves Pereira entre outros cita que contratos realizados entre Prefeitura do Município e empresas estejam sendo pagos de forma que “parecem totalmente irresponsáveis”.

Segundo o denunciante, o decreto de Estado de Emergência emitido pelo prefeito em exercício não foi homologado pelo Governo do Estado, fato que segundo o denunciante é estritamente necessário e que desfavorece o decreto.

Observa-se que o Estado de Emergência é decretado por órgãos de monitoramento meteorológico e da defesa civil em casos de desastres de grande porte e tem duração indeterminada. Temporais de arrasar costumam caracterizar a adoção do estado de emergência. Outros desastres que podem levar a essa medida são incêndios em áreas extensas e o rompimento de barragens, por exemplo. Decretado o estado de emergência, o município ou estado atingido pode pedir recursos ao governo federal para reparar os estragos.

O decreto teria se tornado público no dia 25 de maio deste ano, o denunciante ainda afirma: “A manobra tem sido utilizada para expedir Notas Fiscais em nome da Prefeitura Municipal de Eldorado com a finalidade de esvaziar os cofres públicos”, essa afirmação faz parte da denúncia protocolada.

Em defesa da afirmação o denunciante usa como referencia o Portal da Transparência que mostra um empenho de mais de 900 mil reais, dos quais foram pagos a empresa RR Construtora e Locação – LTDA – EPP 250 mil reais em 19 de junho, confira aqui. O pagamento seria para locação de veículos e máquinas pesadas e leves, destinadas à manutenção das atividades desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Obras.

Para o denunciante o que causa estranheza é que pagamento teria sido feito de forma antecipada, haja vista que até o momento, ainda segundo a denúncia não houve nenhuma operação dessas máquinas na cidade.

Adilson Alves Pereira defende que o pagamento antecipado pode caracterizar improbidade administrativa e reforça: “O ato tem como única finalidade saquear o erário público”. Por fim pede que o Ministério Público investigue a natureza do Decreto de Estado de Emergência, assim como avalie a conduta no pagamento do valor a empresa de construção e locação.

Até o momento a equipe do Repórter30 não conseguiu contato com a assessoria do prefeito em exercício para comentar o caso.

Texto: Wenderson Costa

Foto: John Jessé

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de