Notícias

Morte no Sem Terra

cordas
Moradores observam a corda usada no ato insano

Sem motivos aparentes a senhora que pela manhã teria ido cuidar de uma horta que cultivava no acampamento voltou para casa e comunicou a sua companheira que iria deitar por alguns instantes na rede que ficava na cozinha de sua casa. Quando a companheira entrou no local para ver como estava sua parceira deparou-se com ela pendurada por uma corda, já sem vida.

“Quando vi que ela estava nessa situação corri e chamei os amigos do acampamento que vieram e cortaram a corda na esperança dela ainda está com vida”, disse Geane da Conceição Passos, popular Cacau, que era companheira de Maria de Fátima.

A Polícia Civil de Curionópolis foi ao local onde foram feitos os procedimentos de praxe e em conversa com a companheira da vítima o investigador conseguiu saber que uma conversa com familiares pode ter sido o fator motivador do ato transloucado: “Depois dessa ligação ela ficou um pouco estressada, mas já tinha melhorado, achei até que estava bem”, relatou ainda a companheira.

A família de Maria de Fátima não apareceu e os companheiros de acampamento foi quem cuidou dos procedimentos fúnebres, e assim que liberado pela Polícia Civil o corpo foi encaminhado ao Instituído Médico Legal onde foram feitos os procedimentos de praxe.

Maria de Fátima chegou ao acampamento desde o início, já Cacau estaria morando lá a cerca de um ano e meio, período em que mantinha uma união estável com a suicida. Com o ocorrido a companheira ficou abalada. Outra cena que chamou a atenção foi quando os cachorros que eram criados pela vítima se deitaram sobre ela num sinal de carinho.

Dia tenso

Pela manhã os companheiros de acampamentos já previam que o dia seria tumultuado quando um caminhão atropelou um dos acampados que veio a óbito, o atropelamento aconteceu pela manhã.

A entrada do acampamento fica as margens da Rodovia PA-275 no alto de uma ladeira e antecede uma curva no sentido Curionópolis a Parauapebas, essa situação aumenta o risco na travessia da rodovia o mesmo nas paradas de embarque desembarque de passageiros. Os acampados pedem que sejam construídos redutores de velocidades no perímetro para que não venham acontecer mais acidentes.

 

 

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios