POLÍCIA CIVIL IMPEDE SEQUESTRO E ASSALTO A BANCO EM MARABÁ

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Por: Walrimar – A Polícia Civil desarticulou uma associação criminosa que pretendia praticar um assalto a banco, na modalidade conhecida como “sapatinho”, na qual um bancário é feito refém junto com familiares para ser obrigado a abrir o cofre da agência bancária e entregar o dinheiro. A prisão foi realizada por policiais civis da Seccional e da Superintendência do Sudeste Paraense, na cidade de Marabá, na madrugada desta segunda-feira, 3. Os presos foram identificados como Josimar da Costa, Cleidiane Cordeiro da Silva, José Morais da Silva Filho e Gimiclei Silva Sousa, de apelido Binga.

Armas apreendidas

Eles foram abordados no momento em que trafegavam em um carro branco, em frente ao Terminal Rodoviário, situado no bairro Nova Marabá. Uma informação recebida pela equipe de policiais civis da Seccional Urbana de Marabá, na noite de domingo, 2, levo os agentes a montar uma operação, com apoio de policiais civis da Superintendência Regional do Sudeste Paraense. “Acompanhamos (os suspeitos) desde as 21 horas (de domingo) e conseguimos prendê-los por volta de 3 horas da manhã (de hoje)”, explica a delegada Simone Felinto, da Seccional de Marabá.

Conforme o titular da Superintendência, delegado Marcelo Dias, os presos estavam em atos preparatórios para o cometimento do crime de extorsão mediante sequestro, modalidade conhecida como “sapatinho”. O alvo, explica o policial civil, seria funcionário de um banco da região. Durante revista no carro em que os presos estavam, os policiais apreenderam armamento, telefones celulares, luvas, seringas e lacres que seriam usados na ação criminosa. Eles foram conduzidos para a Seccional de Marabá, onde foram autuados pelos crimes de associação criminosa e porte ilegal de arma de fogo. Estão presos à disposição da Justiça.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de