delegacia

Polícia colheu vários depoimentos. Agora está na caça de Joel, acusado do crime. Foto John Jessé

Conforme agendado nossa equipe foi recebida esta manhã na Delegacia de Polícia de Curionópolis pelo delegado Manoel Pereira de Paiva, titular lotado na Depol do município vindo da Delegacia de Tucuruí.

O delegado afirmou que já conhece os delitos mais comuns na cidade e destacou o trafico de drogas, mas fez uma ressalva: “Apesar de haver algumas pessoas que praticam esse delito, já foi possível perceber que não existem grandes comerciantes de entorpecentes e no geral são pequenos traficantes, mesmo assim nosso combate vai ser ostensivo porque de toda forma é um crime e que tem que ser combatido”, afirmou.

Na concepção do chefe de Polícia Curionópolis pode ser caracterizada como uma cidade tranquila, apesar dos casos ditos como isolados de pequenos roubos e furtos, e pela dimensão que são tomados os homicídios. “Desde a minha chegada tivemos um número irrisório de assaltos e roubos, já de grande repercussão houve os dois homicídios, do Dhemerson e da Jhulyane, ambos já estão sendo investigados”, frisou delegado Paiva.

No caso do Dhemerson a Polícia opta por não divulgar o nome do autor para manter a linha de investigação, já no caso da Jhulyane, conforme dissemos na postagem anterior a Polícia já conhece o autor do crime e está fechando o cerco. Trata-se de Joel Castro Medeiros e o crime segundo as autoridades foi motivado por vingança.

“Há oito meses Jhulyane teria atropelado a esposa do Joel, e desde então formou-se um clima de desentendimento que segundo a família gerou ameaças, apesar de o pai de Jhulyane ter arcado com parte da despesa do tratamento depois que as famílias fizeram um acordo. É importante ressaltar que sobre as ameaças a família só informou após o ocorrido não tendo comunicado as autoridades antes do crime”, disse o delegado.

As buscas por Joel continuam e em virtude disso a Polícia acredita que pode prendê-lo em flagrante continuado, já que as buscas pelo autor do crime não pararam desde a ocorrência dia 29 de setembro.

Estão foragidos Joel e toda a família, todos abandoaram a casa e os pais de ambos não sabem do paradeiro deles, contudo pistas levaram o investigador que cuida do caso até a zona rural do município e por isso o delgado Paiva acredita que até o final de semana poderá prendê-lo.