Notícias

REJEITO DE SERRA PELADA ATRAI INVESTIDORES JAPONESES

O vice-governador do Pará, Zequinha Marinho, reuniu nesta quinta-feira, 16, em Brasília, com os investidores japoneses da área de exploração mineral com ênfase na recuperação ambiental. Akio Miyake, Osamu Sugiyama e Hirosuke Otaki trataram a respeito da exploração do rejeito do garimpo de Serra Pelada e experiências em tecnologias que podem ser aplicadas na recuperação ambiental e recuperação de resíduos sólidos.

Material rejeitado com o fim dos trabalhos da Colossus é objetivo dos japoneses
Material rejeitado com o fim dos trabalhos da Colossus é objetivo dos japoneses

Os japoneses querem explorar o material já rejeitado em Serra Pelada após o fim dos trabalhos da empresa canadense Colossus Minerals Inc., que detinha os direitos da lavra mecanizada no garimpo até abrir falência e encerrar as atividades na área, em 2014. Um contrato com a prefeitura de Curionópolis e licenças ambientais para as atividades já foram concretizados, faltando apenas uma deliberação da COOMIGASP (Cooperativa Mista dos Garimpeiros de Serra Pelada). Uma assembleia dos garimpeiros está marcada para a próxima semana. A Miyabras – Mineração Yamato do Brasil Ltda é a empresa responsável pela exploração dos rejeitos, trabalho que tem previsão para começar dentro de três meses. A licença tem validade de um ano, podendo ser renovada.

A mesma empresa seria responsável pela implantação do que seria chamado Banco Ambiental em Serra Pelada. A ideia, apresentada ao vice-governador, prevê a criação de uma cooperativa de crédito, depois transformada em banco, para financiar a recuperação de áreas degradadas em Serra Pelada, principalmente pelo uso contínuo do mercúrio no processo de limpeza do ouro.

O vice-governador disse que apoia o trabalho da empresa na exploração dos resíduos da mina, pois acredita que isso pode significar a redução de impactos ambientais negativos na região e gerar empregos à população. Zequinha Marinho apenas manifestou preocupação quanto à instabilidade na direção da cooperativa dos garimpeiros, onde presidentes se alternam numa espécie de guerra política. A assembleia dos garimpeiros é soberana em suas decisões, disse o vice-governador. Se ela autorizar a entrada da empresa para o trabalho de exploração dos rejeitos, o governo estadual dará apoio ao projeto.

A transformação de lixo orgânico em energia foi outro ponto da reunião. O cientista japonês Osamu Sugiyama apresentou ao vice-governador um processo de transformação do lixo em energia a partir da utilização do plasma de carbono. O plasma — espécie de gás carregado de eletricidade considerado o quarto estado da matéria, que compõe as estrelas — é usado para degradar materiais que resistem a uma primeira etapa de gaseificação. Queimado depois com tochas a uma temperatura que chega aos 9.000 ºC, o lixo se transforma em biogás, podendo ser filtrado e novamente queimado, gerando energia elétrica.

O vice-governador aprovou a ideia e pediu que os japoneses elaborem um projeto piloto que possa ser testado em pequenas comunidades para verificar sua eficácia.

Pascoal Gemaque
Secretaria de Estado de Comunicação

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Close

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios