Vítimas da Hanseníase podem receber até um salário mínimo

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin
triagem-inicial
Triagem inicial foi feita pela técnica de enfermagem Lívia Torres

Em Parauapebas 28 vítimas da hanseníase beneficiários que recebem um auxilio correspondente a um salário mínimo fizeram o recadastramento junto à Diretoria de Renda, Cidadania e Combate à Pobreza – DRCCP. Divisão ligada à Secretaria de Estado de Assistência Social – SEAS. O recadastramento aconteceu nos dias 13 e 14 deste mês e quem atendeu aos beneficiários foi a representante da DRCCP Maria Rozete A. de Moraes.

O número de pessoas que recebem o benefício no município é maior. Contudo apenas esses 28 estavam em prazo de recadastramento e todos compareceram.

O recadastramento é feito a cada dois anos para identificar alterações nos dados cadastrais, na renda familiar, no acompanhamento escolar dos dependentes bem como na situação de saúde da família: “A partir dessas informações o Estado elabora estratégias de ampliação no acompanhamento de qualquer um dos seguimentos, seja na saúde, educação ou referente à renda dessas famílias”, relatou Rozete.

A pensão foi criada por meio do decreto nº 1.735, de 14 de novembro de 1985 a fim de reparar danos e preconceitos sofridos pelos portadores da doença, muitos forçados a internações e isolamentos de seus familiares. Contudo apenas quatro Estados da Federação cumprem a determinação entre eles o Pará.

Para recorrer ao benefício é necessário seguir alguns passos, de início com a comprovação da doença e de sequelas que tragam impedimentos tanto de trabalho quanto de relacionamento social, essa comprovação começa com o Laudo Médico que certifica que o portador da doença está incapaz para o trabalho, e sendo a família de baixa renda também com comprovação ela passa a entrar dentro do cadastro da Secretaria de Estado de Assistência Social, que por sua vez fará uma triagem e comprovada a necessidade o afetado poderá receber o benefício.

Seu Luis Henrique Pereira de 45 anos é um dos beneficiários, ele descobriu a doença no final do ano de 1996 e de imediato deu entrada ao processo para buscar o benefício estadual: “No começo 1997 recebi o primeiro pagamento e com esse dinheiro venho mantendo a minha família que é de seis pessoas porque tive sequelas graves nas mãos e não posso mais trabalhar” explicou.

Em Parauapebas três bairros tem maior incidência da doença, são eles Liberdade 1, Casas Populares 1 e Palmares Sul, por isso no final de semana também aconteceram ações de prevenção e primeiro diagnóstico da doença. Maria Rozete informou inclusive que havendo o diagnóstico precoce a cura é rápida e não há necessidade de recorrer a benefícios: “Uma vez sabendo da doença no início o individuo não fica privado de nenhuma atividade profissional além de evitar sequelas, por isso é importante a procura pelos postos de saúde com certa regularidade, e caso encontre alguma anormalidade na pele essa procura tem que ser imediata”, reforçou Rozete.

RECADASTARMENTO – É importante reforçar que o recadastramento do beneficiário acontece a cada dois anos, e portanto é necessário procurar os locais indicados e comparecer, o não comparecimento pode incorrer inclusive no corte do benefício.

SERRA PELADA – Numero de 2009 dão conta de pelo menos 163 casos comprovados da doença na antiga vila garimpeira, esse número deve ser bem maior havendo a necessidade de procura por atendimento, uma vez que o próprio afetado fica envergonhado de buscar auxilio médico.

A busca pelo diagnóstico precoce é o primeiro passo, mas caso a vítima já tenha grave sequelas é importante recorrer ao benefício que ajudará na manutenção de um possível tratamento e da família já que em muitos desses casos as vítimas não tem mais possibilidade de trabalho.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on google
Share on linkedin

Comente com o Facebook

Mais de